Os impactos do contato com a tecnologia na infância

As principais dicas sobre Os impactos do contato com a tecnologia na infância

Um novo estudo, realizado pela pesquisadora Anna V. Sosa e publicado em 2016 no periódico JAMA Pediatrics, associa a relação direta entre a hiperexposição aos brinquedos eletrônicos, como tablets, jogos de celular e computadores, a atrasos de aprendizado e linguagem.

A partir da observação das formas de brincar da criança e dos níveis de interação com os pais, a pesquisa investiga como a relação entre esses dois elementos influenciam a aquisição de linguagem da criança. O estudo aponta que o ambiente de linguagem em que a criança está inserida na primeira infância pode influenciar a aquisição da sua fala, além de afetar a leitura e o futuro sucesso acadêmico. A pesquisa foi realizada em 2016, com 26 famílias e bebês de 10 a 18 meses.

Os pesquisadores concluem que a interação com brinquedos eletrônicos esteve associada a redução na qualidade e quantidade de linguagem recebida pela criança, quando comparados com livros e brinquedos tradicionais. Por esse motivo, o estudo conclui que não recomendável incentivar o contato com jogos eletrônicos no momento em que a criança está desenvolvendo a linguagem. O texto ressalta também a importância do incentivo à leitura nesta fase do desenvolvimento da criança. “Os pais devem ser encorajados a ler para seus filhos e engajá-los em atividades que proporcionem interações reais entre pais e filhos”.

A atenção ainda para o bombardeio excessivo de publicidade dirigida não só às crianças mas também aos pais, que podem ser facilmente iludidos por brinquedos autointitulados educativos que prometem incrementar o desenvolvimento.

Não deixe seu filho mais um dia sem cobertura!

Fale com um consultor autorizado e Conheça os Planos de Saúde para Crianças – Clique Aqui!

Confira um resumo dos principais resultados alcançados:

Para promover o desenvolvimento da linguagem, os pais podem investir tempo para ler para os filhos e brincar junto, olho no olho. Brincar com livros ou brinquedos tradicionais é melhor do que brincar com eletrônicos, no sentido de promover um nível qualitativo de comunicação entre pais e filhos. Quando estão brincando com brinquedos eletrônicos, as crianças vocalizam menos, quando comparado ao modo que elas verbalizam e interagem quando estão em contato com brinquedos tradicionais.

Os impactos do contato com a tecnologia na primeira infância são diversos e variam de criança para criança e, principalmente, de contexto para contexto. A recomendação é que nenhum contato seja permitido até os 2 anos, principalmente durante as refeições ou antes de dormir.

Inserimos nossas crianças num fluxo vertiginoso de modelamento social, para num futuro serem vitoriosas na geração de produtos e consumo. Com isso, reprimimos o que elas têm de mais valioso no humano, aquilo do qual elas são as principais depositárias: a poderosa e plástica capacidade de imaginar. Dessa faculdade plástica e anímica é que brota a verdadeira inteligência. Esse é o lugar onde se adubam os valores, onde se constrói a ética pela apreensão estética.
Portanto, excessos de um modo geral obstruem o delicado fluxo imaginador que se espraia da criança para o mundo como uma fragrância, uma brisa, uma suspensão vaporosa que toca-o, enlaça-o buscando contato com ele, enraizamento nele, almejando a integridade dele. Assim, é possível nascer um dizer autêntico advindo de sua própria busca, de seu próprio interesse, de suas próprias afinidades.

Não deixe seu filho mais um dia sem cobertura!

Contratar agora

contato

Fale com um consultor autorizado e Conheça os Planos de Saúde para Crianças – Clique Aqui!

As crianças se desenvolvem a partir de suas interações em diferentes ambientes e grupos, como sua casa, sua família, a escola, os colegas e a vizinhança. São também impactadas por contextos que influenciam sua vida, como o trabalho dos pais ou as empresas e serviços próximos de sua casa. Crescem dentro de uma sociedade que cultiva determinados valores e crenças e que se organiza de uma forma própria.

O ambiente em que a criança vive é que vai fornecer a ela os elementos para seu desenvolvimento e, portanto, é impossível entender as pessoas sem entender o ambiente onde vivem. A natureza fornece à criança uma imensa riqueza de estímulos à imaginação, aos sentidos e à sua capacidade de interagir. É quando um galho vira uma espada ninja, uma folha boiando vira um barquinho ou a árvore vira uma cabana. É durante esse processo de interagir com a natureza usando todos os sentidos tato, olfato, visão, audição e até paladar , explorá-la, imaginar-se através dela, criar e recriar com seus elementos que nós, seres humanos, estabelecemos na infância uma relação de empatia e afeto pelos demais seres vivos.

Mesmo com todas as dificuldades que a vida urbana oferece e mesmo com a competição desleal do consumismo e dos eletrônicos, devolver à criança o direito ao brincar livre na natureza é possível. Mais do que possível necessário, para que possam desenvolver-se integralmente e estabelecer empatia com o meio ambiente, desejando cuidar e preservar o planeta para si e para as gerações futuras.

Fonte: Catraca Livre