Qual o papel de uma alimentação saudável durante a pandemia de COVID?

Alimentação saudável ajuda a reduzir sintomas da candidíase

O cenário atual demanda um cuidado redobrado não só com a higiene, mas também com a alimentação.

Uma vez que estar com as condições nutricionais em dia, por meio do consumo adequado de alimentos saudáveis e água potável, contribui para o fortalecimento do sistema imunológico, para a manutenção e a recuperação da saúde.

Alimentos in natura, como frutas, legumes, verduras, grãos diversos, oleaginosas, tubérculos, raízes, carnes e ovos, são saudáveis e excelentes fontes de fibras, de vitaminas, minerais e de vários compostos que são essenciais para a manutenção da saúde e a prevenção de muitas doenças. Inclusive aquelas que aumentam o risco de complicações do Coronavírus, como diabetes, hipertensão e obesidade.

 

Por que não ultraprocessados?

Os ultraprocessados não são uma opção para a saúde. Ao enfrentar uma pandemia, você precisa estar com as defesas do seu organismo em dia e esses alimentos não podem te ajudar com isso. Uma dica de ouro é evitar comprá-los e deixá-los fora do alcance das mãos. Se não tiver em casa, você não irá consumi-los.

A recomendação, então, é investir na aquisição de alimentos in natura e minimamente processados, que podem e devem ser usados como base das preparações culinárias caseiras.

 

Planejamento acima de tudo!

Planejar as refeições contribui para a manutenção de uma rotina alimentar adequada e saudável, já que ter sempre uma comida de verdade ao alcance ajuda a evitar os ultraprocessados. Também é importante ficar atento em relação ao consumo excessivo de alimentos, ao comportamento sedentário e ao estresse emocional.

O Guia Alimentar para a População Brasileira, editado pelo Ministério da Saúde, traz orientações bastante práticas para cada uma das principais refeições (café da manhã, almoço e jantar), oferecendo dicas variadas que levam em consideração a cultura e características alimentares regionais. Indo às compras

Priorizar alimentos da estação também é uma dica para garantir melhores preços, maior frescor e disponibilidade. Procure também fazer compras em mercados com produção local, diretamente dos agricultores ou em outros locais que comercializam variedades de alimentos in natura ou minimamente processados.

 

Cuidados para se proteger do COVID-19

Uma outra maneira de evitar o desperdício e as idas desnecessárias ao mercado é cuidando do armazenamento dos alimentos. Hortaliças e preparações caseiras têm maior durabilidade quando refrigeradas ou congeladas. A medida ainda garante mais praticidade no seu dia a dia. Mas antes de tudo, faça uma higienização adequada de todos eles, inclusive dos que vêm em embalagens.

Os legumes e hortaliças duram mais tempo se for utilizada a técnica de branqueamento. Para isso, após a higienização, mergulhe-os em água fervente por 2 a 3 minutos e logo em seguida coloque-os em um recipiente com gelo. Depois congele. Cuidado redobrado com a alimentação dos idosos

Dentre os que compõem o grupo de risco, os idosos são os principais. Assim como as medidas de isolamento que evitam a infecção, é fundamental redobrar os cuidados com a alimentação deles, que deve ser saudável e adequada. Um pior estado nutricional pode deixar o organismo vulnerável e aumentar ainda mais o risco de complicações, caso haja infecção pela COVID-19.

 

Continue compartilhando as refeições, mas com cautela!

É evidente a importância de se sentar à mesa na hora das refeições e, quando possível, de compartilhar esse momento com outras pessoas. Mas o período de pandemia não precisa representar o fim desse hábito. Continue realizando as refeições com as pessoas que moram com você, só não compartilhe utensílios como copos, pratos, talheres, xícaras.

Fonte: Health Care Brasília